Detalhes da Notícia

Prefeito Scalon responde aos críticos


Desde a campanha eleitoral de 2012, o então candidato a prefeito Luciano Scalon vem sendo alvo de matérias tendenciosas, levianas e pouco profundas, oriundas do jornal a Voz Regional de Monte Aprazível, segundo o prefeito, fruto de ação judicial imposta pela municipalidade ao referido; “o dito jornal entrou com uma ação contra a Prefeitura Municipal para receber dividendos da gestão anterior, ocorre, que nunca houve licitação para a contratação deste semanário, por isto, entramos com embargos á execução, ou seja, a nulidade da ação imposta pelo mesmo, o que foi aceita, ou seja, os embargos são procedentes (ver anexo abaixo),” disse o prefeito.

Em matéria do dia 08 último, o jornalista responsável pelo jornal A Voz Regional de Monte Aprazível, Carlos Carmelo, fez conotações degenerativas sobre vários assuntos da administração que estão em pauta, como o asfalto da Rua Ceará, atraso no pagamento de funcionários, da cesta básica e a paralisação da construção da creche escola; “além de não se aprofundar nos assuntos em questão, o nobre jornalista não abre espaço em seu jornal para que possamos mostrar que a história não é bem assim, o asfalto da Rua Ceará, por exemplo, sofreu uma paralisação porque tivemos que entrar com a contrapartida na compra da tubulação para a galeria pluvial, sendo que a empresa contratada por nós, atrasou a entrega dos mesmos, com relação ao rendimentos dos funcionários, houve queda significava na arrecadação vinda da União, o que nos forçou a realizar o pagamento no dia 7 último, o mesmo se refere a cesta básica, quanto á paralisação das obras da creche escola, se deu porque dependemos dos recursos financeiros oriundos do Estado, que infelizmente vem sofrendo seguidos atrasos, nos impossibilitando de acelerar a conclusão da mesma, outra coisa, Nipoã não é e nunca foi uma cidade fantasma”, falou Scalon.

Para finalizar o prefeito Luciano Scalon faz questão de frisar que não é favorável a censura ou coisa parecida; “aceito as críticas que nos possibilitem aglutinar ganho de causas, que nos ajudem na construção de uma nova e positiva realidade, o que não podemos concordar é com críticas direcionadas, sem critérios, vazias e alheias a verdade, sinto pena destas pessoas que vivenciam a política do quanto pior melhor, quando na verdade, nós deveríamos abafar as diferenças pessoais e trabalhar para que tenhamos um futuro melhor para nossos filhos e netos”, salientou ele.